Reportagem sobre o Projeto da Escola de Poesia do Wole Soyinka!!!

November 22, 2017

  • 10 DE NOVEMBRO DE 2017

  • POR: HIGINO BARROS

  • 0 COMENTÁRIOS

Escola de Poesia lança documentário “Wole Soyinka – A forja de Ogum” em sarau na Feira do Livro

Wole Soyinka / Divulgação

 

 “Ogum é para mim um símbolo da multiplicidade da natureza humana. Ele me ajuda a entender que no mesmo indivíduo podem conviver um pacifista e um guerreiro. Posso adorar a tranquilidade, mas ao mesmo tempo ser energizado pelas lutas do mundo”, disse Wole Soyinka, que já descreveu Ogum, o orixá da tecnologia, do trabalho e da criação artística, como sua “divindade companheira”. Esta visão de mundo iorubá, com seus mitos e rituais, foi uma influência decisiva para a personalidade e a obra do dramaturgo, poeta, ensaísta e professor nigeriano, primeiro africano Nobel de Literatura, em 1986.

Para homenagear o escritor, que vem pela segunda vez a Porto Alegre e, pela primeira vez, como uma das atrações da Feira do Livro, neste ano, a Escola de Poesia, que tem a obra de Soyinka como uma referência em seus estudos, vai lançar na Feira o documentário Wole Soyinka – A forja de Ogum, em sarau, no dia 18 de novembro, às 17h, na Tenda de Pasárgada (Praça da Alfândega).

Comunidade local

O filme mostra um pouco da obra e da vida de Soyinka e tem a participação de artistas e integrantes da comunidade local que se articulam, de algum modo, com a ancestralidade africana, como o grupo musical Alabê Ôni, o grupo teatral Pretagô, e seu diretor Thiago Pirajira, o Africanamente Ponto de Cultura e Escola de Capoeira Angola, e seu Contramestre Guto, o poeta Ronald Augusto, o escritor Jeferson Tenório, o pintor Paulo Montiel, os escultores Jonas e Marcos, a Iyalorixá Sandrali de Oxum, a Iyalorixá Bete Omidewa, a artista visual Manuzita, a poeta e psicanalista Lúcia Bins Ely e a psicanalista e poeta argentina Marcela Villavella.

“Wole Soyinka – A forja de Ogum” é uma produção da Escola de Poesia em coprodução com o Coletivo Catarse. Concepção, roteiro e direção da poeta Eliane Marques (Prêmio Açorianos de Literatura/2016) e do poeta e tradutor Adriano Migliavacca, estudioso da obra de Soyinka. Apoio de Gustavo Türck (documentarista e produtor audiovisual), Billy Valdez (operação de câmera) e Marcelo Cougo (operação de áudio). Documentação de Lúcia Bins Ely e Anelore Schumann. Pesquisa de imagens de Priscila Pasko.

O filme não estará à venda no lançamento, mas depois algumas edições poderão ser adquiridas, a preço de custo, na Escola de Poesia, além da doação de cópias que será feita a bibliotecas públicas.

Ainda no sarau, Leitura dramática de A morte e o Cavaleiro do Rei, com o grupo teatral Pretagô, com direção artística de Thiago Pirajira, e a participação do grupo musical Alabê Ôni. Leitura de poemas de Wolé Soyinka pelos integrantes da Escola de Poesia e público em geral. E Intervenção com tambores, com o grupo Alabê Ôni.

Outros lançamentos

O lançamento da coleção de livros de poesia Adire (feitos à mão, em tecido com inspiração iorubá), por Luciana Simionovski, da editora patchbooks, com a colaboração de Liane Lummertz (fotógrafa) e Lu Gastal (designer de estampas), é a atração do dia 15 de novembro, às 17h30min, no Pavilhão de Autógrafos da Feira.

A coleção é composta por seis livros, cada um com estampa escolhida pelo seu autor: Lúcia Bins Ely, Marcela Villavella, Anelore Schumann, Gustavo Burkhart, Adriano Migliavacca e Caren Lorea. Coordenação editorial de Eliane Marques.

A oficina O mundo africano na obra de Wole Soyinka, com o professor, poeta e tradutor Adriano Migliavacca, será ministrada no dia 18 de novembro, às 15h30min, na Sala Leste do Santander Cultural.

Formado em Psicologia e Letras, com mestrado em Literatura de Língua Inglesa, que concluiu em 2013 com dissertação sobre a obra do poeta Hart Crane, Adriano é um estudioso da obra de Soyinka, tema de sua tese de Doutorado em 2014, na UFRGS, quando se dedicou a ampliar seus estudos sobre a cultura iorubá. Para o pesquisador, nascido em Porto Alegre, em 1980, Soyinka, que se define como um “escritor iorubá”, é um exemplo de autor “cuja criatividade se realiza de múltiplas formas e de todos os gêneros em que trabalha, o teatro é aquele que exerce mais plenamente”.

 

https://www.jornalja.com.br/escola-de-poesia-lanca-o-documentario-wole-soyinka-a-forja-de-ogum-em-sarau-na-feira-do-livro/

 

Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Arquivo