Tornar visível o que ninguém vê - Ateliê da OCA

September 26, 2019

 A Escola de Arte Ateliê Oca convida para a abertura da exposição
das Oficinas de Pintura Moderna

TORNAR VISÍVEL
(o que ninguém vê)

Visitação aberta ao público de segundas a sextas das 10h às 12h e das 14h às 18h.Informações e agendamento: (51)3333 8917.
Esperamos sua visita!


ARTISTAS
Gisele Forneck
Gustavo Burkhart
Ivone Fronza Beltrame
Og Wetzel Moreira Filho

Coordenadora da Oficina
Anelore Schumann

Poeta Convidado
Sidnei Schneider

Curador
André Venzon


Bem-vindo a Escola de Arte Ateliê Oca que apresenta na exposição TORNAR VISÍVEL (o que ninguém vê) um conjunto de trabalhos dos artistas Gisele Fornek, Gustavo Burkhart, Ivone Fronza Beltrame e Og Wetzel, representativo dos seus processos de produção experimental, com reflexões poéticas e o fazer em desenhos, colagens e pinturas, resultantes do curso livre de Pintura Moderna, ministrada pela artista e psicanalista Anelore Schumann.

Tornar Visível (O que ninguém vê) não é apenas uma exposição de arte, mas também deste lugar: a Escola de Arte Ateliê Oca. Em atividade desde o início dos anos 2000, o espaço que começou como ateliê coletivo organizado pelo artista visual e designer Paulo André Frydman, foi também ambiente de criação e atividades em arte-educação de artistas como Leandro Machado, Nádia Poltosi, Michele Philomena, Dênis Siminovich, entre outros, que fizeram jus a tradição do bairro Bom Fim em abrigar diversas residências e ateliês de artistas, como a histórica Galeria de Marte e o Torreão.

O ateliê é este lugar de onde nascem os artistas. Digo isto, porque penso que os artistas e a arte não nascem da cabeça de um professor ou de um curador, mas da nossa sociedade, e das suas demandas cada vez mais necessárias de humanismo e conhecimento sensível. Portanto, no atual contexto cultural, preservar e promovermos estes espaços de criação dedicados à liberdade de pensamento e expressão é uma forma estratégica de cuidarmos / curarmos nossas próprias vidas, tão marcadas por um cotidiano de violência social quase absoluto em que sobrevivemos.
Convidado a apresentar a segunda exposição da mostra de resultados dos alunos da escola, sucedendo a primeira em 2013 que teve a curadoria de Antônio Augusto Bueno, artista que também mantém um ateliê-galeria, o Jabutipê, destaco, sobretudo, a ênfase do curso na criação artística através da livre experimentação de materiais. Lembrando o conceito de Mario de Pedrosa (Crítico de Arte brasileiro, 1900-1981), de que "a arte é um exercício experimental de liberdade", cada aluno trabalhou explorando em seu processo criativo as diferentes linguagens expressivas, do desenho a colagem, partindo também de referências conceituais e formais dos grandes mestres da pintura do século XX, tanto modernos quanto contemporâneos, que foram reinterpretados em busca do estilo próprio de cada aluno.

Atrair público para esta convivência criativa é o objetivo principal deste espaço que apresenta mais de 50 obras dos seus alunos para quem quiser conhecer e adquirir estes trabalhos que partiram do estudo da arte moderna, movimento artístico internacional e que no Brasil foi “inaugurado” com a Semana de Arte Moderna, em 1922.

Diante desta mostra, percebem-se dois eixos de expressão bem definidos, o primeiro formado pelos artistas Gisele Forneck e Gustavo Burkhart, que participaram da exposição anterior, e têm obras com uma carga simbólica mais complexa, e o segundo constituído por Ivone Fronza Beltrame e Og Wetzel, cujas composições têm aspectos mais lúdicos e primitivos.
Gisele Forneck usa com liberdade um repertório de imagens para construir suas obras. É de um dos seus trabalhos que extraímos o título da presente exposição. Em grande parte das suas criações a figura feminina tem um papel central, porém a aparente ausência da figura masculina se manifesta naquele que “vê o que ninguém vê”, e espreita os mistérios da vida e da morte, que se entrelaçam nas suas colagens. A artista desenvolve um trabalho sensível e ao mesmo tempo dramático, onde os personagens se diluem no contexto de histórias escritas ou então em saltos para o vazio.
Gustavo Burkhart trabalha com nanquim sobre papel, ora em cenários diluídos em preto e branco, ora coloridos, onde mistura uma profusão de signos em meio a figuras esquematizadas. Sua mulher com burca colocada no centro de um das suas obras é um exemplo que pode concentrar o tema da guerra entre oriente e ocidente, como também o debate entre o bem e o mal, ou a liberdade e a opressão. O artista trabalha principalmente sobre manchas de nanquim dando vida a formas figurativas sugeridas pelo seu inconsciente. Seus desenhos remetem a paisagens citadinas em suas múltiplas facetas, com ênfase na figura feminina em meio a escritos, códigos e cenas surreais.

Ivone Fronza Beltrame pinta paisagens campestres que nascem de uma inspiração romântica, para logo adquirem contornos arquetípicos em escritas e figuras abstratas. Suas pinturas ainda buscam capturar a efemeridade das nuvens, ao mesmo tempo em que reflete imagens da sua infância e de sonhos.

Og Wetzel em suas perspectivas aéreas parece nos fazer ver as coisas do alto, como se apenas de lá fosse possível vislumbrar a multiplicidade de cores do mundo, sobrevoando os diferentes campos da percepção.
Todas estas manifestações artísticas expressam a generosidade do lugar ateliê para ampliar a condição humana de ser na arte, uma vez que na realidade, vivemos reprimidos por um cotidiano de extrema violência que nos permite pouco tempo para refletir sobre o mundo e nós mesmos. Atualmente, em meio ao agravamento da infinita crise do capitalismo, numa sociedade cada vez mais competitiva e discriminatória, a própria arte, antes símbolo de liberdade, foi transformada em objeto de disputa e produto do mercado curatorial instituído por museus, bienais e feiras. Valorizar estes espaços de criação, como a Escola de Arte Ateliê Oca, divulgando suas ações artísticas e culturais são formas autênticas de desenvolver o conhecimento a respeito da arte sem negligenciar as demandas da nossa comunidade artística.

André Venzon
Curador independente, artista visual e atual Diretor do Museu de Arte Contemporânea do RS.

ESCOLA DE ARTE ATELIÊ OCA
www.ocapoa.com.br
Rua Francisco Ferrer, 408
Bairro Rio Branco
Porto Alegre – RS

Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Arquivo